.17 de mar de 2015

Melancolia Silenciosa





Queria que as pessoas se calam-se. Silenciam-se.
Não sei pensar com tantas vozes. Minha mente é um campo de batalha. Nunca há vencedores. Só sobreviventes.
Vozes conhecidas me alegram com doces lembranças. Na área de trabalho da minha mente só preocupação e poucas diversões.
No disco rígido só há maldições. Escuridão. Tudo o que não mostro as pessoas.
Nunca haverá ninguém que desvendará a máquina que é a minha mente.
Sem manual quem lerá?
Todos querem um software simples e sem complicações em sua utilização.
Meu hardware a cada dia está sendo danificado. As vozes dentro de mim querem a vida aqui fora. O que digo a elas?
Aqui é só ilusão. Em sua prisão estão a salvo de tanta decepção.
Não há preparatório para receber tantos inquilinos.
Eles entraram em minha mente e a tornaram em um cortiço.
Muitas vezes não percebo sua presença, mas basta olhar algo que ative lembranças e eles aparecem.
A dor na cabeça surge. Parece uma tora de madeira sendo cortada ao meio ou uma bigorna sendo soltada em um esqueleto de construção.
Uma selva com leões e tigres ferozes e indomáveis. Monstros horripilantes moram em minha mente.
Se as pessoas olhassem minha mente se afastariam de mim. Me julgariam impura, como um leproso nas ruas do Império de Pilatos.
Me taxariam de imoral. Possuída por demônios.
Em mim hábitos grandes tormentos. A caixa de Pandora habita em minha mente.
Ela é intocável até para mim. Não sei se posso controla-la. Não sei se estou pronta.
Sem saída. É minha responsabilidade.


As pessoas são egoístas. Mesquinhas. Hipócritas. Querem a perfeição alheia.
Como posso ser perfeita com inquilinos indesejáveis em minha mente? Destruindo minha sala de estar? Arrombando os quartos de boas lembranças e sujando com sujeira de dores, erros e palavras mal usadas.
Como posso sobreviver se a guerra mais devastadora e sangrenta é minha mente?
Será que não sabe que preciso de silêncio para viver?
As vozes em minha mente são traiçoeiras e vingativas. Precisam de uma fagulha para dominarem meu ser. Seria meu fim. Caos instaurado. Caso perdido.
Elas moram em mim. Estão em mim, mas não são partes de mim.
Não os alimentos. Quero que morram sem se reproduzirem.
Tornam impossível ser livre. Emitem regras. Limitam minha felicidade.
Angustiam meus pensamentos. Confundem meus sentimentos.
São aprisionamentos.

Silêncio. É só disso que preciso.
Sem palavras desnecessárias. Fofocas fatais querem distâncias. Absurdo silêncio.
Sem pensamentos alheios. Não quero opiniões. Sem conselhos.
Não quero que me julguem como teimosa ou incrédula, mas quero que um abismo sem fim seja feito entre mim e as más línguas.
Há um massacre está sendo arquitetado em minha mente e não quero perder meu tempo com futilidades.
Sem acréscimo de sabedoria, dispenso todo comentário de euforia.

Não tenho armas para essa guerra.
Talvez tenha. Amor.
Sem Ele não posso vencer.
Com chances reais.
Agora.


Somente Eu e meus Inimigos.

Joanice Oliveira







Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger