.24 de abr de 2015

Resenha do Livro Identidade - Zygmunt Bauman


Título: Identidade
Autor: Zygmunt Bauman
Editora: Zahar
Ano: 2004
N° de páginas: 112


Sinopse:

Um dos maiores teóricos da atualidade, Zygmunt Bauman completa 80 anos no dia 15 de novembro. A festa no Brasil acontece com o lançamento de Identidade, que volta a uma questão central do pensamento do sociólogo em seus últimos livros: no mundo de hoje, qual é o espaço do eu e do outro? Qual é a medida da liberdade individual? E do respeito ao próximo, com todas as suas diferenças? É possível construir uma identidade sem levar a alteridade – o outro – em conta? A sobrevivência de um Estado-nação moderno pode se afirmar na falência ou na negação de outros estados?Nessa entrevista que concedeu ao jornalista italiano Benedetto Vecchi, Bauman mostra como a identidade se tornou um conceito-chave para o entendimento da vida social na era da "modernidade líquida" – termo que ele cunhou para falar do esgarçamento das relações na atualidade.Segundo Bauman, à medida que nos deparamos com as incertezas e as inseguranças da "modernidade líquida", nossas identidades sociais, culturais, profissionais, religiosas e sexuais sofrem um processo de transformação contínua. Isso nos leva a buscar relações transitórias e fugazes e faz com que soframos as angústias inerentes a essa situação.A confusão atinge os valores, mas também as relações afetivas: "Estar em movimento não é mais uma escolha: agora se tornou um requisito indispensável", afirma Bauman. Identidade é um retrato da vida na contemporaneidade.




Esse livro é o terceiro livro que leio de Bauman. Ele é o tipo de autor que você vicia em ler suas obras; Terminei esse e já estou à procura de outro. Bauman tem o mesmo poder de Augusto Cury que é de fornecer caminho para o Questionamento. Todas suas palavras são para confrontar o senso comum e causar uma derrapagem na nossa caminhada e paramos para refletir sobre nossa relações.

Nesse livro o tema principal gira em torno do que é Identidade e suas mudanças na Sociedade Moderna a qual estamos situados. A obra é uma entrevista concedida ao jornalista Benedetto Vecchi. Isso faz que a obra pareça uma conversa com o leitor e Bauman responda aos nossos questionamentos. A leitura exige um certo conhecimento das outras obras do autor. Sugiro Amor Líquido.


Assim como Amor Líquido, Identidade traz à superfície da sociedade os dilemas que se tornaram "monstros" da sociedade atual, como o desconhecimento de sua identidade pessoal e a imposição de uma identidade nacional. Se paramos para pensar, podemos perceber que os relacionamentos humanos se tornam descartáveis e superficiais, como Bauman faz uma comparação com nosso hábito de consumir e de querer usufruir dos benefícios no presente momento e não querendo esperar resultados que virão com um longo processo.

A leitura é altamente produtiva, principalmente com a profundidade com o que o autor trabalha. Ele não fica "em cima do muro". Ele enfrenta a ambivalência da nossa sociedade. Optar em ir ao cerne do problema e enfatizar que medidas paliativas e temporárias não funcionam para nossos atuais problemas de se relacionar e socializar.

Em uma sociedade consumista, os relacionamentos tornaram-se mercadorias com datas de validades. Validades cada vez mais curta. Trocadas como se acompanhassem a velocidade do avanço da tecnologia. A superficialidade marca nossa geração e libera o medo como determinante do envolvimento das pessoas com seus semelhantes. Parece que o ser humano se distanciou da proximidade e possui fobia do contato social e abomina relacionamentos duráveis.

Acreditamos cegamente que tudo que é duradouro é monótomo. Não tem novidades. Exige demais de nós. Necessita de cuidado constante, por isso optamos pela quantidade e não pela qualidade.

Outro ponto crucial que Bauman toca é sobre os valores morais e éticos que se perderam crédito na sociedade moderna. As pessoas direcionaram seus dilemas para o esquecimento ou a omissão e isso é refletido no afastamento das pessoas das figuras divinas, gerando crises existenciais nas maiores religiões do planeta - Cristianismo, Islamismo e Judaísmo - que trazem a torna a necessidade de pertencimento, à procura de uma causa "MAIOR". Algo que agregue o eterno. Isso é desconsiderado pela sociedade ocidental, que não entende porque os fundamentalistas religiosos morrem. Onde essas pessoas "excluídas" veem o fundamentalismo religioso como uma saída que trará acolhimento social e um sentido para sua existência.

Um livro cheio de questionamentos sobre Quem eu sou? O que é sociedade? Qual nossa Identidade Nacional? Quais os benefícios e Malefícios da Globalização? Será que os problemas globais são melhores resolvidos em níveis locais?

Prepara-se para um confrontamento direto com suas opiniões. Abra sua mente e permita-se pensar.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger