.21 de abr de 2015

Resenha do livro A menina que não sabia ler – John Harding



Nome: A menina que não sabia ler
Autor: John Harding
Editora: Leya
Ano: 2010
N° de páginas: 220



Sinopse:

1891. Nova Inglaterra. Em uma distante e decadente mansão, onde nada é o que parece, dois irmãos são negligenciados pelo seu tutor e tio. A jovem Florence, de apenas 12 anos, passa os dias cuidando de seu irmão mais novo Giles e perambulado pelos corredores, em uma rotina tediosa e desinteressante. Até que, um dia, a menina encontra a biblioteca proibida da mansão, e apaixona-se por ela.

Mas existem segredos sombrios naquela casa que jamais deveriam ser revelados. Por que Florence sempre sonha com uma misteriosa mulher que insiste em ameaçar seu irmão? O que esconde a nova preceptora? E por que o tio não permite que ela aprenda a ler? Florence precisa encontrar muitas respostas – sejam elas inventadas ou não, e soluções nem sempre fáceis para proteger Giles, e o seu amor pelos livros, antes que alguém descubra quem ousou abrir as portas do mundo literário.

Seguindo a tradição da literatura de terror e suspense dos meus amados Edgar Allan Poe e Henry James, John Harding traz uma narrativa carregada de drama, suspense e muito terror. Para os leitores que ficam extasiados com livros com diversas teorias e conspirações, A menina que não sabia ler é um convite e tanto.

Esse livro comprei em 2013 pelo site das Lojas Americanas por R$ 15,00. Adquiri porque gostei do título. Nessa época não tinha lido ainda A menina que roubava livros e não comprei por causa dos nomes similares, mas pelo título sugestivo da obra.

O livro é um pouco cansativo no início e pode gerar a vontade de desistência da leitura, porém como não sou de abandonar nada pela metade, segui em frente com a tarefa. A história basicamente se desenvolve na cabeça da personagem principal: Florence. Que tem 12 anos, mas é astuta e sagaz em seus pensamentos e atitudes e que é super protetora em relação ao bem-estar de seu irmão mais novo o Giles.

Giles é uma criança carinhosa e apaixonado pela sua irmã mais velha. Num ponto da história ele é levado para um internato e manda cartas para sua irmã ler. Ela ler escondido porque todos na mansão acreditam que ela não saiba ler. Em pouco tempo ele retorna a mansão, devido agressões na escola e não adaptabilidade as regras do internato. Florence acha espetacular. Tem seu tesouro perto de si e assim pode cuidar de seu amado irmão.

Capa Inglesa


Florence é a peça chave de toda história. No começo da narrativa ela não sabia ler e ao descobrir a biblioteca na mansão de seu tio, ela inicia uma aventura arriscada até seu “Santuário do Conhecimento”. Essas atitudes são bem similares à Lisel de A menina que roubava livros que se arriscava a ir na biblioteca da casa do Prefeito para ler juntamente com a primeira dama da cidade. Nessas aventuras que se davam durante a noite, onde ninguém atrapalharia sua diversão ou pela manhã, mas com estratégia prévia montada para que nenhum empregado descobrisse suas andanças.

Com a aprendizagem da leitura, Florence torna-se paranoica diante os acontecimentos da mansão. Acredita que a casa é mal-assombrada e sua nova preceptora quer matar seu irmão mais novo.

Não sabemos realmente se o que ela pensa é o que realmente acontece. O interessante da narrativa é isso. O leitor é convidado a desvendar o mistério. Captar as mensagens nas entrelinhas dos acontecimentos, analisar a rotina da mansão e de todos os personagens e além disso elaborar teorias com as evidências descobertas pela inteligente Florence.

O drama é muito similar ao que acontece no filme A ilha do medo, onde não sabemos o que é verdadeiro e o que é imaginário, já que o personagem principal que é feito pelo ator Leonardo Di Caprio não parece estar com sua sanidade em dia, então os acontecimentos e pensamentos tornam-se duvidosos para quem assiste. Isso causa conflito mental, mas é muito saudável e perspicaz de quem produz esse efeito. Como diz Sherlock Holmes, nunca devemos acreditar apenas em uma teoria, porque geralmente as respostas estão nos pequenos detalhes e não nas evidências claras e fragmentadas de um todo imenso.
Só posso dizer que recomendo sem sombra de dúvidas essa leitura que traz um delicioso e instigante mistério para todos os leitores que se dispuserem a aceitar esse desafio.


Então preparados para embarcar nesse mistério?
Juntem suas lupas, cadernetas e lápis e muito raciocínio para desvendar esse mistério.




8 comentários:

  1. Oi
    ficou muito boa sua resenha, eu li o livro e posso dizer que gostei muito mais aquele final meio que me decepcionou e agora quero ler a menina que não sabia ler 2.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Denise

      Realmente o final deixou muita coisa em aberto, mas como o filme a Ilha do Medo a intenção é causar conflitos em quem ler. Fazer com que ficássemos atentos aos detalhes e colocássemos em questão: Qual a linha que separa a realidade da imaginação?

      Eu estou ansiosa pela continuação.

      Beijos

      Excluir
  2. Olá Joanice,

    Adorei este livro e confesso que o livro por causa do titulo muito parecido como o meu livro favorito: A Menina que Roubava livros. Mas a pegada é bem diferente, nem por isso pouco interessante.

    Parabéns pela resenha!

    Livros, Rock N' Roll e Outros Vícios

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha linda

      Quando eu li esse livro, eu já tinha parado 3 vezes a leitura de A menina que roubava livros, por causa do início que não me atraia. Após o termino de A menina que sabia ler, eu consegui ler A menina que não roubava livros em 2 dias. E que leituras agradáveis e edificantes.

      Obrigada pelo elogio.

      Já visitei seu blog e amei.

      Excluir
  3. Olá, Joanice!

    Eu já li este livro, mas faz um tempinho. E lembro de ter me surpreendido muito com e gostado. A Florence mesmo sendo essa menina conflitante me conquistou muito. Estou ansiosa para ler a sequencia. Adorei a resenha.

    beijos

    http://livrosfilmeseencantos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana linda

      Florence é a alma da história. Tudo se passa mais na mente dela do que na realidade e isso que atrai os leitores.

      Amo seu blog.

      beijos!

      Excluir
  4. Fiquei com vontade de ler. Parabéns pela resenha!
    http://julietices.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ju

      Leia....não vai se arrepender.

      Beijos

      Excluir

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger