.5 de abr de 2015

Resenha do Livro Um Dia – David Nicholls

Nome: Um Dia
Autor: David Nicholls
Editora: Intrínseca
Ano: 2012
N° de páginas: 319

Sinopse:

Dexter Mayhew e Emma Morley se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro. 
Os anos se passam e Dexter e Emma levam vidas isoladas — vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois.
Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia: 15 de julho. Dexter e Emma enfrentam disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas. E, conforme o verdadeiro significado desse dia crucial é desvendado, eles precisam acertar contas com a essência do amor e da própria vida.


“15 de julho de 1988. Emma e Dexter se conhecem na noite da festa de formatura. Amanhã eles seguirão caminhos diferentes.
Uma narrativa feita como se fosse um diário sobre duas pessoas que se conheceram no dia 15 de julho de 1988. Emma Morley e Dexter Mayhew. Dois jovens que acabaram de se formar. Estavam juntos na noite de sua formatura. Emma não acredita que aquele cara lindo e descolado em sua cama. Nada tiveram. Estavam bêbados e falavam apenas do que sonham para suas vidas. Situavam seus sonhos e anseios.





Eu sinceramente amei esse livro. Tipo, amei muito muito muito mesmo. De verdade.

O que me chamou a atenção nesse livro na primeira vez foi a capa: A capa é do filme (assistam é muito bom – tem a Anne Hathaway). Emma e Dexter se beijando. Meu casal predileto de todos os livros que já li na vida.

Eles são reais. Poderia ser eu e meu namorado. Tem características fascinantes e seus dilemas são universais. São plenamente humanos. Sabem que o futuro é incerto e cada um enxerga esse futuro de um jeito. Emma é mais pessimista em suas deduções futurísticas. Parece não acreditar em si mesma. Já, Dex é mega egoísta. Não pensa muito como “coletivo”. Tudo dele começa e termina Nele.

São bem diferentes um do outro, mas é isso que os torna tão atraentes. Durante toda a narrativa vemos o crescimento de ambos. A burrice de Dex que é EVIDENTE. Ele não enxerga que Emm é completamente APAIXONADA por ele e ela que só dar indiretas (Nota da resenhista: Homens parecem não entender indiretas. Não é generalização, mas normalmente não entendem). Ficam mais da metade do livro com esse vai não vai.

Teve horas que pensei que Emm desistiria do amor dele, porém estava imensamente errada. Ela não desistiu. Sempre escutava as lamentações dele. Não importava a hora, ela escutava ele no telefone ou saia atrás dele em qualquer parte do planeta só para ajudá-lo. Isso é Amor. Não tem dúvidas.

Não sei se Dex não percebia ou se brincava com os sentimentos dela. Isso não fica claro na história. Sei que Dex comeu o “pão que o diabo amassou”. Começou uma carreira fantástica na TV (Claro, ele ama o estrelismo), mas perdeu tudo rapidamente. Ele não conseguia se recuperar tão rápido assim. Emm o ajudava, entretanto chegou um tempo que ela se afastou dele. Ela não aguentava mais ser rejeitava e desmerecida por ele. Dex ficou perdido. Não tinha mais “sua melhor amiga” para ajudar.
[...] e Dexter consegue ver certo potencial nessa história. É o tipo de história que ele gostaria de contar a Emma Morley. Mas, não sabe onde está Emma Morley, ou o que anda fazendo, já que eles não se veem há mais de dois anos.”
Percebemos que Dex parece mais uma criança do que um adulto e com um ego maior do que seu corpo. Mesmo, na lama sustentava sua glória passada. Nesse meio tempo longe de Emm, ele encontrou “a mulher da vida” dele. Uma mulher “perfeita” com uma família “mais perfeita ainda”.

Ela fazia tudo que ele queria. Tudo mesmo. Emm quase caiu em depressão. Aguentou firme. Foi no casamento deles. Pensou que era o fim. Dex virou pai. Pensou que ele foi um péssimo pai? E foi durante muito tempo até a separação com a esposa. Coisa que devia ter feito muito antes. Ela o traía com seu amigo de faculdade. Dex tinha sido passado para trás. Achei um belo castigo. Ele merecia.

Emm tinha largado seu marido Ian. Ele era apaixonado por ela. Obsessivo podemos dizer. Ela não o amava. Tentou ser feliz. Só tentou. Tinha o traído com o diretor da escola que trabalhava.



Esse livro me tocou até a alma. Você pensa que ele seguirá por caminhos mais alegres e pastos verdes, mas não acontece isso. É frustrante? Sim é, todavia o livro quer se aproximar da Realidade. David Nicholls, sabe que a vida real não é um conto-de-fadas e nem sempre tem um final feliz.

O que me deixa feliz é que Emma e Dexter ficam juntos e que anos felizes são esses juntos. Tem seus atritos e diferenças, mas o Amor fala mais alto. Chorei muito com o final. Não foi o esperado. Quis matar o autor, mas ele escolheu a “vida real” e não finais felizes. Quem era o aprendiz com a história era Dex e não Emma. Ela era a redenção dele.

E que mulher. Forte e decidida. Ela não sabia disso. Dex enxergava todas as qualidades dela e sempre a elogiava. Ela achava que era brincadeira dele. Eram almas gêmeas.


Recomendo Um Dia sem dúvida alguma. Um romance maravilhoso que li em 6hs. Um casal que ganhou minha admiração e encanto total. Fiz até um poema para eles.

“– Bom, a gente se vê por aí – disse Dexter, começando a se afastar.
- Espero que sim. – ela sorriu.
- Eu também. Tchau, Em.
- Tchau, Dex.
- Até mais.
- Até mais. Até mais.”










Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger