.25 de mai de 2015

Resenha do livro Onde estivestes de noite - Clarice Lispector

Título: Onde estivestes de noite
Autora: Clarice Lispector
Editora: Rocco
Ano: 1974
N°de páginas: 96

SINOPSE:

Publicado em 1974, reúne crônicas, contos e produções ficcionais que fogem a classificações. Como sugere o texto que dá título ao livro, a obra explora dimensões pulsionais, áreas limítrofes com o delírio e o mágico, androginia, camadas íntimas do ser. A noite se apresenta como materialização do onírico, lugar de rituais, de acontecimentos improváveis, mas densos de realidade – ou de infrarrealidade –, até que aconteça a manhã “límpida como coisa recém-lavada”. Manhã que “em tanta mansidão” pode abrigar a noite e o “modo mais leve e silencioso de existir”.
Uma das barreiras a serem vencidas para chegar ao que “é”, conforme “Relatório da coisa”, consiste em abolir a palavra, anteceder ao ato de nomeação. O excesso de dizer e ao mesmo tempo a incompletude do dizer estão em tudo o que se diz. Assim como o relógio não dá conta do significado do tempo, a palavra é posta em cheque quanto a sua capacidade de significar. A reflexão reaparece em “É para lá que eu vou”.

A escritora que mais gosto. Minha favorita no mundo literário. Intensidade e leveza. Faísca e Incêndio em cada palavra escrita por ela. Vida e Morte. Barulho e Silêncio. Guerra e Paz. Santo e Profano. Certo e Errado. Vida e Desvida. Começo e Fim. Tudo isso é Lispector. Tudo é Sveglia. O que não está escrito é Clarice. Enfim, a palavra é ela.

Este livro é uma obra sensacional da escritora brasileira Clarice Lispector. Uma das mais profundas de sua coletânea.

Na leitura de Onde estivestes de noite percebemos a temporalidade das estórias. O tempo em cada fala e acontecimento. As palavras e as pausas propositais transmitem essa ideia de Tempo para os leitores.

Com a conversa entre a velha senhora Maria Rita com a jovem Angela Pralini percebemos o diálogo entre gerações. Entre vidas e destinos diferentes. Sonhos de épocas distintas. Frustrações e esperanças dialogam com dualidade. O tempo é dualidade. O velho e o novo. O medo e a segurança. O ontem e o agora. A vida e a Morte.


Clarice é autora de Transição. Nada para ela é a mesma coisa. Tudo é passageiro. O momento é o Agora. Nada será o mesmo daqui um segundo depois. A mudança é exigência da alma. Paz é questão do espírito.

O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar. Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, flameja. ”

No conto Seco Estudo de Cavalos, vemos uma Lispector que ama cavalos. Tem um espírito indomável como esse animal. Não só ela, mas toda a natureza humana. A docilidade desse animal não esconde seu ímpeto pela Liberdade. Seus olhos são pura ingenuidade e esperança.

Em Onde estivestes de noite somos convidados a examinar o Silêncio. Tentados a descobrir nossos dilemas humanos. A solidão e a companhia tornam-se amigas e aliadas. O silêncio pode ser perturbador, mas é nele que nasce a tentação. Nele está o perigo para a paz. Entretanto, sem ele não Conquista.

Há uma força invisível que move nosso ser. Não se sabe o que é. Só sabe que é. Uma autoridade espiritual. Guia da Vida. Movidos pelo Onipresente. Dominados pelo Misterioso. Não é loucura. Incompreensão. Luz para nossa escuridão.

Tudo que escrevi é verdade e existe. Existe uma mente universal que me guiou. Onde estivestes de noite? [...]”

Na continuação temporal construída pela autora viajamos espiritualmente com o conto O Relatório da Coisa na qual somos defrontamos com uma Força Maior e Invisível para as pessoas. Sveglia. Não se sabe o que é. Só sabemos que Ele é. Força Sobre-humana.  Onipresente. Imutável. Ele é o que não é. Faz parte de nós, mas não é Nós. É briga, mas não paz. É hoje e Felicidade todo dia.

“ Se alguém entender este meu irrevelado relatório e preciso, esse alguém é.”

Rimos com As maniganças de Dona Frozina que nos retrata uma senhora de idade já avançada e seu segredo de ter uma boa velhice e não ser amargurada e está sempre pronta para ajudar as pessoas. Fala a todo momento o nome de Deus e vários santos. Parece não ter medo de falar o nome dos santos a todo momento. Dorme no meio da reza. Deixa os santos na espera. Coisa feia. Nem se importa. Irrita Lispector.


D. Frozina usa o nome de Deus mais do que deveria. Não se deve usar o nome de Deus em vão. Mas com ela não cola essa lei. ”

O Morto no Mar da Urca nos traz a dualidade entre Vida e Morte. Ambas vivem perfeitamente ligadas e podem ser confundidas em suas ações.

Um jovem morreu no Mar da Urca quando estava tomando banho. Descuidado diz a narradora. Não sabe o que é prevenir? Brincar com o mar não dar em nada bom. Terminou em morte. Morte Jovem. Prematura. Porém, quem mandou o rapaz ser descuidado?

Morto de bobo que era. Só se deve ir à Urca para provar vestido alegre. ”

Nos contos Silêncio, Esvaziamento e Uma tarde plena, Clarice aborda o Silêncio e a Descoberta como tema principal. Nos dois primeiros, fala sobre como o silêncio pode indicar que uma relação chegou ao um ponto de distanciamento, na qual deve-se optar pelo afastamento e assim prolongando o carinho entre amigos e afins. A descoberta permanece no Mistério. A plenitude é o Desconhecido. Distanciar para esconder o que foi mostrado. O atraente é aquilo que não é conhecido por nós.
“ [...] para si mesma e não se entendia muito bem consigo própria. ”

O livro finaliza com leveza e intensidade com os contos finais: Tanta Mansidão, onde Lispector fala que é agradável chegar num ponto da vida que não há dores e nem sofrimentos. Há apenas Plenitude. “ Vou então à janela, está chovendo muito. Por hábito estou procurando na chuva o que em outro momento me serviria de consolo. Mas não tenho dor a consolar. ”

Fecha-se essa obra profunda e maravilhosa com muitos dilemas em abertos e questionamentos provocados. Dualidade define esse livro.

Só posso escrever se estiver livre, e livre de censura, senão sucumbo. ”


Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger