.17 de jul de 2016

[Resenha] O Lado Bom da Vida - Matthew Quick

Título: O Lado Bom da Vida
Autor: Matthew Quick
Editora: Intrínseca 
Ano: 2013 
N° de páginas: 258


Sinopse:
Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele 'lugar ruim', Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um 'tempo separados'. Tentando recompor o quebra-cabeça de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com o pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida.
O Lado bom da Vida é um daqueles poucos livros que faz o leitor ficar sem palavras e com a voz embargada se tentar falar sobre ele. Sua carga dramática que potencializa mais ainda o enredo, traz consigo mensagens subliminares de ensinamento e pensamentos positivos. O protagonista, Pat Peoples, está internado num hospital psiquiátrico e não se lembra como foi parar ali. Aparentemente ele está neste lugar a muito tempo, só que sua mente o fez esquecer por inteiro os motivos de ter ido se enfiar naquele lugar  como também a noção do tempo. Sua personalidade já não é mais a mesma. Passou a chamar o hospital psiquiátrico de “Lugar Ruim” e por isso ficou. Não obstante, passa os seus dias se exercitando para ficar “belo e atraente” para sua ex-esposa Nikki. Nikki se separou de Pat, mas Pat acredita e insiste em dizer que é apenas um tempo que foi dado para a relação entre ambos, e em sua cabeça já perturbada o “tempo separados” está acabando e ele tem que está pronto: bonito e sedutor, por isso os excessivos exercícios de musculação.

Sua mãe o retira do hospital com a condição que ele faça terapia e tome os remédios para ir melhorando. Em casa, seu pai não dá a mínima para ele, e faz de tudo para esquecer o “problema” do filho. Já a mãe é super protetora e faz de tudo para Pat, até monta uma academia no porão para que ele continue com os exercícios já que estes o acalmam bastante. Decide ler livros, por que Nikki  gosta de ler muitos livros, então vai até a biblioteca para pegar os livros que ela sempre falava. Achava que com isso conseguiria aproximar-se dela.

Em um jantar de amigos, Pat conhece Tiffany, viúva e acabou de perder o emprego. Depois da morte do marido ela ficou terrivelmente abatida. Tomou para si uma personalidade seca. Não gosta de murmúrios sobre a morte do marido ou sobre o estilo de vida que acabou tomando. Detesta sentimentalismo barato, fala na cara o que sente e não tá nem aí pro que acham dela. Uma personagem incrivelmente bem construída e desenvolvida, com voz e razão durante toda a trama. Ela, e somente ela, consegue entender Pat. Ela será um meio muito importante para que Pat volte a si e se convença de Nikki não voltará mais. Ambos fazem um acordo e Tiffany disse que o ajudará com Nikki e se ele a ajudar com uma dança para se apresentar num concurso que ela quer tanto ganhar.

Vale a pena frisar que a narrativa é em primeira pessoa, e com que isso ficamos angustiados de não sabermos por que Pat foi parar no hospital psiquiátrico, como também adquiriu uma personalidade característica muito ambígua. Sim, estou falando de bipolaridade; um tema que nunca li em nenhum livro e que foi conduzido de forma brilhante sem aparentar presunção por parte do autor. Dessa forma, há momentos em que vemos um Pat completamente carinhoso e calmo, como há momentos em que o vemos transtornado, cabeça dura e agindo de forma desequilibrada querendo quebrar tudo. Com isso a narrativa vai  se alterando de forma periódica, já que é do ponto de vista de primeira pessoa. Isso possibilita ao leitor uma agonia na hora de ler, tornando a leitura mais “verídica” vamos dizer assim.

Vale ressaltar ainda a grande mensagem de positivismo presente na trama. Sim. Enquanto vemos um personagem completamente desequilibrado e fora de sua consciência lúcida que luta fortemente para se restaurar e a voltar ao que era e se aperfeiçoar em cima disso, nada parece contribuir ou amenizar o drama vivido por Pat. Contudo, ele está convicto que logo logo voltará com Nikki, como se nada abalasse ele. Ele tenta se afastar de pessoas pessimista por que diz que elas atraem o ruim.

Em suma o livro é incrível. A forma como Mattew Quick desenvolveu a história com elementos tão maduros e convincentes, sabendo equilibrar todo o enredo sem em nenhum momento perder o ritmo, é algo de extrema importância e de se levar em conta. Não espere um romance mimi com final feliz por que não há. Existe sim um romance muito bem elaborado e com um final muito bem finalizado. Na minha opinião não poderia ter tido final tão bem adequado...

...Todavia, a única ressalva que faço do livro é algo bem bobo até, mas que me atrapalhou bastante enquanto lia a história. Pat, o pai e seu irmão, são completamente apaixonados por futebol americano, e a todo instante há uma citação com termo técnico, como nomes de passes entre jogadores, posições, jardas e tudo mais, que nós leitores não estamos tão acostumados quanto o nosso futebol de “bola redonda”, atrapalhando um pouco a leitura. Isso ficou muito melhor e mais bem explorado no filme. Mas é um livro que super indico. Você ira gostar muito. Boa leitura.



18 comentários:

  1. Ooi! Tudo bem?
    Eu quero tanto ler esse livro :O Toda vez que assisto o filme eu fico com mais vontade de ler o livro, já que também dão elogios para o mesmo. Gostei da resenha e da maneira como você se expressou, não deixando de citar algo que também me incomoda no filme: sobre os jogos. Eu não conheço nada, então toda vez que vejo essas partes no filme eu fico -.- hahaha
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Que ótima resenha. Assisti ao filme e tenho livro aqui, apesar de ainda não tê-lo lido. Essa intensidade do livro não é a mesma do filme, com certeza.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Tenho muita curiosidade tanto pelo livro, quanto pelo filme, mas fiquei meio apreensiva depois que li resenhas bem negativas, mas sua resenha conseguiu reacender a chama da curiosidade em mim, achei bem interessante mergulhar em uma mente tão perturbada e notar esses nuances da bipolaridade.
    Beijos

    www.poyozodance.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Taí, já havia lido algumas resenhas criticando esse livro e a sua é uma das poucas que achei elogiando, mas que elogio...
    A forma como você apresentou a obra me deixou com vontade de ler! Gostei da personagem feminina ter cérebro e personalidade forte, assim como também gostei do tema bipolaridade, que ainda não vi sendo tratado el outras obras.

    ResponderExcluir
  5. Excelente resenha! Amei esse livro e ao mesmo tempo o filme que achei legal, mas sempre o filme acaba fugindo do enredo da obra rs. Mas curti ultra.

    ResponderExcluir
  6. que legal vê-lo por aqui... é sempre bom poder comentar uma resenha sua e esta ficou especial. através de suas palavras me senti lançado no turbilhão da vida de pat, nos seus desejos e anseios, e mais ainda em sua bipolaridade. achei genial. gosto de personagens bem construídas e este parece ser o caso. agora, o que me chamou realmente a atenção é que me parece que vai rolar um lance mais romântico entre pat e tiffany (será?). como bom romântico que sou, já me encantei.
    quanto à sua ressalva, muitas vezes me deparo com livros de stephen king detalhando jogadas de beisebol que não fazem parte de nosso universo esportivo. fico completamente perdido, mas não atrapalha muito a leitura não (a não ser quando o esporte em si é o gatilho para a trama, aí fica complicado).
    parabéns amigão e boa sorte em mais esta empreitada em novo blog. parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Olá!

    Já vi muitas resenhas positivas sobre ele, mas ainda assim ele não me chamou a atenção. Não sei, acho que a capa, por ter rostos, não me instiga a leitura...

    ResponderExcluir
  8. Oii,

    Confesso que ainda não li o livro, só vi o filme e achei a história bem louca com personagens bem loucos...hahahaha. Mas divertido, espero ler o livro em breve.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oiii Douglas, como vai?
    Infelizmente não consigo pensar em ler essa obra, já assisti ao filmes milhares de vezes e adorei, já a obra tentei algumas vezes realizar a leitura e acabei desistindo. Sua resenha está incrível.
    Beijinhoss

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    Adorei a resenha. Personagens meio desequilibrados sempre me atraem e rendem boas histórias. Gostei de saber que o livro traz uma mensagem positiva também e que você gostou.
    Você escreve muito bem, parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Eu li esse livro no ano passado e no geral gostei da leitura mas acabei me sentindo um pouco decepcionada, eu esperava mais sobre ele.

    ResponderExcluir
  12. Adorei a resenha! Tenho muita vontade de ler esse livro, já li um outro desse autor e amei, espero gostar desse também!
    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Oi,
    Ahh também curti mt esse, livro é incrível como Mattew consegue desenvolver uma história tão seria com tanto equilíbrio.
    Bjs!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  14. Oi Douglas...
    Não tive a oportunidade de ler esse livro ainda, mas assisti ao filme e é simplesmente perfeito. A lição de vida que ele nos passa é única.
    Sobre a sua resenha... impecável!!! Meus parabéns.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  15. Eu meio que assisti o filme e no filme não consegui compreender bem o Pat, agora, lendo sua resenha, que entendi a bipolaridade e as estranhezas dos dois personagens.
    Achei interessante mesmo pra ser ler, porque no filme não absorvemos muita coisa como você absorveu da leitura.
    Espero gostar!
    Beijo, Mari Scotti

    ResponderExcluir
  16. Olá Douglas, embora o enredo seja atraente eu não curti muito a leitura. O começo é cansativo e sei lá porquê eu não me simpatizava com os personagens, principalmente com o pai do Pat.
    Imagina a minha cara quando fui conferir a adaptação e a informação principal que gerou toda a minha curiosidade ao ler o livro foi despejada na minha cara nos primeiros 5 minutos de filme...affff

    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Oie
    li o livro faz um tempo e gosto muito assim como gosto do filme, acho o tema super interessante e gostei da narrativa do autor, sua resenha ficou ótima e que bom que gostou também

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger