.29 de mar de 2017

[Especial Lovecraft/Resenha] O Horror em Red Hook e Outras Histórias

Título: O Horror em Red Hook e Outras Histórias
Autor: H.P. Lovecraft
Editora: LPM
Ano: 2012
N° de Páginas: 64


Sinopse:
Por trás do mundo visível há labirintos tenebrosos que escondem horrores desconhecidos. Feitiçarias antigas e rituais dos mais sinistros se misturam num caldeirão que exala o odor pútrido do mal. Esse é o universo de H. P. Lovecraft. Conhecido como o inventor da moderna tradição da literatura de horror, o autor imprimiu sua marca no gênero nas primeiras décadas do século XX, deixando de lado fantasmas e bruxas e imaginando a humanidade se curvando a um universo caótico e sombrio. Desenvolvendo uma mitologia própria, criou histórias nas quais a realidade e o pesadelo são separados por um fio tênue. Este volume reúne “O horror em Red Hook”, “Ele” e “A tumba” – um de seus contos mais famosos –, relatos nos quais a experiência do medo está próxima de uma fascinação temerosa.



Lovecraft é um dos maiores escritores do gênero suspense, terror e horror, porque escrevia autênticas obras que permeiam nossos medos, horrores e pesadelos mais sombrios através de culturas extremamente antigas e rituais que ultrapassavam a realidade humana.

O Horror em Red Hook conta a história do oficial da Polícia de Nova York, Thomas. F. Malone que mora na cidade de Chepachet depois de perder o equilíbrio mental na maior cidade dos EUA.

“Ele tinha a visão celta profunda para coisas misteriosas e ocultas, mas o olho rápido de um lógico para os visivelmente céticos; [...]”.

Malone sempre fora um homem de convicções morais e religiosas abertas e posicionamentos centrados e justos diante seu trabalho. Lutava que a cidade fosse limpa de toda marginalidade e obscuridade que marchasse a paz e a tranquilidade dos moradores de Nova York. Com uma reputação invejável e impecável é convocado a participar de uma operação especial no distrito de Red Hook. Não sabia ele que esse convite seria sua sentença de loucura e muitas perdas.

“Red Hook é um labirinto de esqualidez híbrida próximo à antiga zona portuária e de frente para a Governor’s Island.”

Red Hook era uma periferia esquisita e assombrosa. Parecia que o Mal habitava aquele lugar. Os atores sociais daquele lugar aterrorizavam com suas aparências tenebrosas e convidativas para a entrada do Inferno. Malone sabia que aquela operação não partia desse mundo, mas ultrapassava a barreira entre a Terra e o Mundo de dor e sofrimento que era o Inferno.

Nesse cenário digno de Clive Baker, o oficial se depara com uma figura bem peculiar: Robert Suydam que era um recluso erudito de uma família holandesa antiga e humilde que do dia para a noite se envolve com pessoas estranhas que trabalham com ocultismo e religiões há anos sepultadas. Ele tornou-se maltrapilho, ausente e começou a abrigar marginais e participantes de seus rituais em suas casas e vagar pelos labirintos de passagens subterrâneas que estavam escondidos debaixo desse distrito maldito.

Os familiares restantes de Suydam tentam interna-lo, já que acredito em sua insanidade, porém perdem vergonhosamente diante o júri quando Robert interpreta um homem capaz de controlar suas faculdades mentais de forma exímia e após isso se afunda mais em antros de podridão e degeneração humana até seu casamento com uma jovem linda que termina na morte de ambos num cruzeiro.

Após as mortes misteriosas de Robert e sua noiva, Malone é levada ao seu maior trauma que culminou em perdas irreparáveis e que levaram sua existência amaldiçoada a pacata cidade de Chepachet.

O que ele queria esconder de todos? Por que escolheu ir para bem longe de seu lar e trabalho? Que perda teve com essas descobertas horrendas e surreais?

O conto Ele nos aterroriza com a história de um jovem que tem hábitos peculiares, como andar solitariamente sem destino certo e observando pessoas e seu lado proibido e oculto de todos.

Numa dessas andanças, ele se depara com um homem estranho e misterioso que lhe elogia dizendo que é um rapaz de observação profunda, olhar altivo e intelecto avançado. O estranho lhe convida para um lugar onde ambos terão encontro com o Destino e o Passado. O jovem tentado e sendo levado por suas ambições enfreáveis, é conduzido a uma casa bem distante de qualquer resquício de vivência humana.

A casa é escura e cheia de mofo exalando podridão e cadáveres ali já enterrados, mas nosso impulsivo narrador é indiferente a isso, esperando saciar sua curiosidade infernal sobre aquele homem enigmático.

Após um momento de estranha contemplação do estranho com nosso narrador, um sorriso diabólico atravessa o rosto de nosso enigmático homem e jorra de sua boca um passado mortífero e sanguinário que abala nosso jovem, porque traz alucinações horrendas e dignas de Stephen King.

Quais seriam as verdades enunciadas? Que pecados esse homem misterioso teria confessado para trazer a sanidade ao nosso jovem narrador? Seria o homem, um demônio?

“Quem ou o que era aquela criatura, não tenho a menor ideia; mas repito que a cidade está morta e repleta de horrores desconhecidos.”

No último conto temos A Tumba que narra a história de Jervas Dudley que é solitário e sóbrio em todos os momentos de sua pacata juventude.

Seus pais sempre quiseram que Jervas fosse mais efusivo, festivo e social, porque parece um homem destituído de carisma e habilidades sociais que o transformam em motivos constantes de chacotas e murmúrios pelo vilarejo.

“Naquele caixão e naquela câmara mortuária eles me prometeram que serei enterrado.”

Desde pequeno o jovem leu e viu coisas que crianças normalmente nunca veriam e isso influenciou em suas obsessões. Seu maior desejo é ser enterrado como um Hyde de verdade e isso o leva a câmara mortuária dessa família que tem o sobrenome do doutor do livro O Médico e o Monstro.

Rico além do necessário e desprovido de ambições sociais, o jovem numa de seus passeios diários é levado ao mausoléu dos Hydes e começa aí a obsessão desenfreada de Dudley para fazer parte dessa família que um dia fora importante naquele lugar.

“Não acredito que estava aterrorizado, ou tomado pelo pânico, mas sei que fui completa e permanentemente mudado naquela noite.”

Ele invade o lugar mesmo sabendo que os moradores diziam que o lugar era assombrado e recebia visitas constantes do próprio Diabo. Tomado pela insanidade e certeza que seus ancestrais tinham uma conexão profunda com aquela família que já jazia enterrada antes de seu nascimento, Jervas torna-se um visitante constante do cemitério dos Hydes e tem contato direto com o oculto.

Será que Jervas realmente era um Hyde? Por que ele queria tanto ser enterrado como outra pessoa? Seriam alucinações as pessoas que falavam com ele naquele lugar? Qual será o final de nosso jovem Dudley?

“Por uma semana vivi todas as alegrias daquela sociabilidade sepulcral que não devo descrever. Foi então que aconteceu a coisa, e me trouxeram para esta moradia maldita de tristeza e monotonia.”

Lovecraft nos leva para histórias de puro misticismo, transcendentalismo, ocultismo e insanidade humana. Suas palavras parecem códigos de uma linguagem morta que invoca o inacreditável.

Os enredos terminam deixando margem para os leitores interpretarem da forma que acharem conveniente, baseando-se em seus posicionamentos espirituais, mentais e morais, porque nossos personagens normalmente representam fragmentos de Lovecraft que tinha uma vida mundana, mística e curiosa para todos.

A escrita do autor é do século XIX e XX que pode causar uma certeza estranheza e empecilhos, mas nada que um dicionário não possa resolver.

Resolvi reler as obras de um dos mestres do terror, porque esse ano quero dar mais atenção aos meus autores prediletos que incluem Lovecraft, Poe e Sir Arthur Conan Doyle.




20 comentários:

  1. Não sou muito de ler o gênero mas assim que li a descrição do Malone desconfiei dele. Pelo que assisto em filme e séries do gênero sempre que tem uma pessoa acima de qualquer suspeita e que é muito certinha ela já está dois passos a frente de ser o suspeito. Deve ser um livro bem rápido de ler já que tem poucos páginas.

    memoriasdeumaleitora.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    Confesso que não conhecia o autor e fiquei encantado com o assunto que ele trata no livro. Eu não sou chegado à contos, mas quando se trata de temas interessantes e que tê conteúdos, eu acabo me interessando. Achei fantástico a forma que o autor consegue pegar culturas e rituais antigos para trazerem à literatura contemporânea através de contos, amei! ♥

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
  3. Amei demais o livro, o título já me ganhou, tem horror? Já quero! Kk e sua resenha é muito boa e completa, muito bom mesmo! Me deixou muito afim de ler ♥️

    MEMÓRIAS DE UMA LEITORA

    ResponderExcluir
  4. Oi Jô!
    Nunca li nada do Lovecraft, mas morro de vontade por ser um clássico de terror, ao lado do Bran Stoker (adorei Drácula) e do Poe.
    A resenha dos contos me lembrou muito os cenários e o mistério dos contos do Poe e isso já é um ponto super positivo.
    Estou curiosa quanto a Malone e Suydam.
    Bj

    ResponderExcluir
  5. Oioi
    Amo Lovecraft e Horror em Red Hook é um dos meus contos favoritos do autor, até escrevi um roteiro inspirada nesse conto. Ele tem um clima de medo, tensão, loucura mesmo, aliás se eu não me engano NY tem uma região com esse Lovecraf odiava NY

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?

    Olha tem que ter muita coragem pra ler essas histórias. Confesso que li esse especial/resenha morrendo de medo. Esse gênero não é a minha praia. Não consigo ler de jeito nenhum.

    ResponderExcluir
  7. Olá
    Gostei da sua resenha, porém fujo de qualquer história de terror ahahaha sou medrosa demais.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    Adorei a sua resenha, esta bem detalhada, adoro uma boa história de terror, então claro que anotei a dica!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Nossa Joanice, que nostalgia tu trouxeste, me lembro como se fosse ontem quando tive contato pela primeira vez com a internet sempre procurava textos de terror/horror, foi quando conhece Lovecraft e desde então sou perdidamente apaixonada, dica anotada flor!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Oi, Joanice
    Alguns finais de livros que terminam com as coisas no ar, às vezes me agradam e às vezes não. Esse livro ainda não conhecia, mas como não curto muito terror, não sei se leria. Como você elogiou, quem sabe leia futuramente, né!?

    Blog Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
  11. Oi! Investe mesmo nos seus autores favoritos. Não é meu gênero favorito - na verdade, corro dele porque sou impressionável demais - mas tenho este sentimento com outros escritores e sei o quanto a experiência de ler o que escreveram tem significado para mim. Parabéns pelo texto! Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Olá, ainda não li nada dele, mas já estou montando minha coleção com algumas de suas obras e pretendo começar a ler em breve!

    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Nunca li nada do Lovecraft, mas fiquei encantada com o livro. Quem sabe eu arrisque a leitura, mas em outro momento, pois agora estou cheia de leituras.

    ResponderExcluir
  14. Oiii!!

    Eu não conhecia esse livro e não sei se leria.
    Maaaaas eu amei sua resenha, trouxe diversos detalhes sobre o livro, achei interessante e curioso os finais ser aberto.
    Parabéns pela resenha!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?
    Confesso que não conhecia o autor, pois não curto mt os gêneros de: suspense, terror e horror. A descrição dos contos ficou ótima e mostra a qualidade do trabalho do autor. Reler os autores que amamos é sempre bom!!
    Bjs!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  16. Heiii, tudo bem?
    Ainda não conhecia O Horror em Red Hook e Outras Histórias, mas pelo titulo ja vejo que nao tem nada a ver comigo.
    Eu tenho medo de coisas de terror e sabendo que a linguagem é um pouco dificil, tb nao me atrai tanto a ler.
    Mas sempre é bom conhecer novas obras e esse com certeza vai cair como uma luva pra alguem.
    A capa é legal, acho que ja da uma ideia pra o livro.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  17. Lovecraft não conheço muito bem, mas estou naquela vibe de ler livros de terror/horror e nada mais justo que conhecer algumas obras do autor. Dicas anotadas!

    ResponderExcluir
  18. Olá,

    Horror e terror não são bem meu estilo, por isso não conhecia o autor e nem sua obra, apesar de seus comentários sobre a história, não me senti tentada a ler, deixo a dica passar.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Olá.

    Não conhecia esse livro e também não curto muito esse gênero, mas fico feliz que você tenha gostado. Não curto terror, pois tenho muito medo hahahah Nem filme, série, nada de terror eu assisto. Espero que outras pessoas que gostam do gênero possam gostar!

    Beijos,
    Respire Literatura

    ResponderExcluir
  20. Não tenho nenhuma vontade de ler algo do autor, não curto terror nem horror, e pelas descrições já sei que ficaria bem assustada... rs... fora que não gosto disso do final ficar aberto para o leitor interpretar como quiser, gosto de tudo bem fechado e explicado.

    ResponderExcluir

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger