.10 de mai de 2017

[Resenha] Sem olhar para trás - Lycia Barros

Título: Sem olhar para trás
Autora: Lycia Barros
Editora: Valentina
Ano: 2016
N° de Páginas: 256


Sinopse:
O novo romance da escritora Lycia Barros narra um drama super comum da sociedade ao longo dos séculos. Um mal que acomete, principalmente, as mulheres. Afinal, quando coagidas, agimos de forma equivocada e facilmente somos influenciadas por nossos medos. No entanto, muitas vezes o sofrimento é o melhor remédio para acordar o espírito. E sempre há tempo para refazermos a nossa trajetória, onde algo surpreendente pode estar nos esperando no fim da linha. Esse é o foco da história de Agatha: é preciso força para recomeçar. As cicatrizes ficam, mas a força de reação é maior.
“A verdade é que nós não temos domínio sobre nada, e isso nos assusta.”

Sem olhar para trás é uma obra que denuncia a violência contra as mulheres nos mais diversos graus e mostra que sempre podemos recomeçar depois de um deserto de sofrimentos.


Agatha é uma mulher de um pouco mais de 30 anos que se apaixonou perdidamente quando era uma jovem inexperiente pelo belo e formoso Bruno Albuquerque. Ela uma jovem forte, linda e graduanda de Administração, viu no loiro, forte e cativante, o homem certo para estar ao lado até o fim de sua vida. Não sabia ela que toda aquela beleza exterior escondia um homem que não sabia lidar com frustração, porque sempre tivera o que quis na vida, nunca soube ouvir um Não e aceitar sem dilemas. Bruno nada mais era um homem violento, mimado e desequilibrado que tornou a vida de Agatha num inferno particular.

Cansada de apanhar e principalmente de ver seu filho de nove anos, Gabriel ser agredido pelo pai, porque queria defende-la, ela decide fugir do “monstro” e buscar paz para sua vida mesmo que seja por um tempo até Bruno encontra-los. Ela segue para Rio Preto no interior do Rio de Janeiro, na qual herdou um sítio de sua tia Dulce. Aquele imóvel caiu como uma “luva” para seu estado atual. Naquela pacata cidade ela poderia recomeçar com seu filho e finalmente tomar as rédeas de sua vida novamente.

Ela encontra um sítio caindo aos pedaços, mas aquele lugar agora é seu lar. Ali ela encontrará uma nova chance de fazer certas suas escolhas. O lugar é grande. Tem um terreno enorme que têm hortas, animais dos mais diversos e dali tiram o queijo e as compotas vendidas na pousada próxima de sua casa. Sua tia Dulce era amada por todos, porque tinha um coração de ouro e uma bondade sem limites. Dona Gemma e seu marido, Seu Pedro eram amigos próximos da tia de Agatha e trabalham no sítio.

Agatha no início se perde em tantas coisas que não sabe fazer, como, acender o fogão à lenha, qual alimento dar para as galinhas e porcos, como arar o terreno e tudo mais, mas seu Pedro e dona Gemma a ajudam em tudo. A velha senhora além da mãe que Agatha perdeu cedo se torna uma avó postiça de Gabriel e de quebra torna-se uma cúpida na vida da mulher, porque tenta a todo custo juntar Agatha ao seu padrão da Pousada, Vicente que é um homem alto, forte, fechado e cheio de feridas do passado que perturbam sua vida.

Quando Vicente coloca os olhos em Agatha, seu coração dispara. Ele tenta esconder isso a todo custo e culpa dona Gemma por ser audaciosa e querer encontrar uma mulher para ele depois do acidente que custou quase sua perna toda. Ele não queria se envolver, mas Deus – nesse ponto eu e a autora discordamos, mas concordo que nossa vida sempre tem um plano vindo das “Forças” que movem esse mundo – sempre tem caminhos distintos dos nossos para nos curar de nossas dores e nos ajudar a liberar perdão para nossas más escolhas que nos assombram.


Agatha e Vicente tornam-se namorados e o amor vira um bálsamo para almas tão perturbadas por seus passados, todavia “um mar cor-de-rosa” não sobreviverá por tanto tempo, enquanto Bruno estiver por perto cheio de ódio e com uma vontade de se vingar da sua esposa como seu alimento diário. A felicidade de Agatha está a um fio, porque nem sempre o controle de nossas vidas está em nossas mãos.

“Compara-se muitas vezes a crueldade do homem à das feras, mas isso é injuriar estas últimas.” ( Fiódor Dostoiévski)

Será que Bruno encontrará sua esposa fugitiva? Será que Agatha precisará usar sua arma contra o homem que um dia amou e mostrou um primata sem amor? Será que foi certo ela se envolver com Vicente? Quais seriam as consequências de sua escolha? Como proteger Gabriel e seus novos amigos daquele crápula?

Agatha é uma mulher que viu sua vida ser controlada a partir do momento que decidiu dividir sua vida com Bruno. Do homem carinhoso apenas viu-se seus raros olhares afetuosos antes de qualquer palavra dela ser interpretada como afronta contra ele. Ela começou a assimilar que merecia apanhar, porque escolhera Bruno ao invés de seus pais que não aceitaram bem quando ela largou a faculdade para viver com aquele homem. Seu pai a culpara pela morte da mãe que morrera desgostosa.

Vicente é um homem forte, lindo, sonhador, porém cheio de amargura, porque viu seu sonho de torna-se um grande atleta do Hipismo jogado na lama quando perdeu parte de sua perna num acidente de moto e meses depois seu amado pai morreu e o deixou completamente sozinho. Ele decidiu então tornar a casa de seu pai em uma pousada e trabalhar arduamente para não pensar em suas desgraças.

“[...] Quando seus olhos se encontraram novamente, Vicente sentiu um salto inesperado no coração, o que fez recuar na conversa.”

Quando os caminhos de Vicente e Agatha se cruzam é como se o caos e a guerra tivessem se encontrado. Agatha é uma guerra inacabada que traz muito sofrimento para ela e seu filho. Ela tem medo de ser encontrada e seu filho sofrer as consequências de suas escolhas erradas. Vicente é o caos que não quer dividir seus medos com ninguém. Acredita que as pessoas fiquem ao seu lado por piedade ou obrigação e não porque o ame.

“Ao menos, ele fizera que se sentisse atraente de novo. Viva. E, para uma mulher que vinha sendo criticada com constância em tudo pelo marido, isso já fora como uma brisa fresca e bem-vinda.”

Bruno que é o infeliz dessa história é um homem extremamente violento que não sabe se controlar em momento algum. É aquele ser humano que vemos aos montes no Brasil. Um homem machista que acredita que mulher serve apenas para seus caprichos e necessidades. Aprendeu isso vendo seu pai – um homem rico e nunca soube receber um não – traindo sua mãe com diversas mulheres e obriga-la a aceitar suas atitudes calada e agradecer por ter uma vida “maravilhosa”. Ele cresceu acreditando que o mundo estava aos seus pés e indignou-se quando viu Agatha dando mais atenção ao seu filho do que a ele. Desequilibrado e psicótico que destruiu e marcou diversas vidas com suas atitudes infantis e descontroladas.


Lycia nos traz um retrato social que representa bem a vida de muitas mulheres em solo brasileiro. Mulheres que viram suas vidas virarem destruição e violência por quem jurou amá-las e auxilia-las constantemente. Ela apresenta onde começa essas sessões de violência gratuita e detalha que todos somos culpados por alimentamos direta ou indiretamente essa sociedade machista. Quando ela coloca Vicente e Dona Gemma e seu Pedro no caminho de nossa protagonista, demonstra que mesmo depois de termos experimentado o fel da vida, a chance de recomeçar sempre será mais bem vinda do que o martírio eterno. Nenhum um mal dura para sempre e podemos ser libertadores para outros e outras que são oprimidos sob as mesmas circunstâncias que as nossas.

“A minha vida também andava cinza antes de eu te conhecer. Meu coração estava vazio. Eu sentia saudades de você antes mesmo de tê-la encontrado.”

Com Agatha e Vicente aprendemos que não podemos ficar nos flagelando porque escolhemos de forma errônea algumas coisas. Todos erramos sendo experientes ou não. Há consequências, mas podemos contorna-las com fé e perseverança. Eles encontram força no amor de Deus para enfrentarem seus fantasmas e perdoarem a si mesmo permitindo assim a entrada da paz e alívio em suas vidas.

O enredo é tão fluído quando estava terminando o livro, eu lia mais devagar para não acabar nunca. Lycia escreve com destreza e conquista o leitor com uma facilidade extrema, porque concilia histórias bem reais com palavras de ânimo, esperança e força.

A capa parece demais com nossa personagem principal e gostei disso. A fonte é agradável para leitura e destaco as frases maravilhosas que a autora coloca em todos os capítulos que dão entrada nos acontecimentos que se desenrolam em cada capítulo.


Sem olhar para trás é um romance fictício, mas que apresenta uma realidade triste sobre a violência contra as mulheres, porém trazendo esperança após uma temporada de dores e sofrimentos constantes, porque nenhum martírio é duradouro a ponto de nos condenar ao tormento eterno. 


13 comentários:

  1. Li um livro da autora e essa abordagem sobre Deus e fé me incomodou bastante. Pelo visto, masi uma vez ela faz uso do mesmo recurso, então, isso é um bom motivo para eu me afastar desta leitura. Acho bem oportunista colocar religião em um livro...
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Se eu tivesse apenas olhada a capa e o título já me apaixonaria por esse livro. Nome de autor nacional seria a cereja do bolo... Mas a sua resenha? Amei! Já anotei a dica! A Editora Valentina é uma das que eu sonho em um dia me dar uma oportunidade de publicar com eles!

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?

    Amei essa capa e o título e agora lendo sua resenha, a história também. To colocando o livro na lista de futuras aquisições. Um jeito da gente aprender mais sobre esse tema e poder ajudar quem passa por isso.
    Parabéns pela resenha.

    Beijos
    Laneh Martins
    http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Joanice
    Gosto de livros com críticas sociais, principalmente ao que se refere às mulheres. E se tem uma mensagem de esperança melhor ainda. Gosto muito da escrita da Lycia, que bom que também gostou. Sou doida para ler esse livro. Linda resenha.

    Blog Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
  5. Olá
    Não sou muito fã de romances do tipo, me lembra muito comédia romântica, mas sem a parte da comédia, gostei da história se desenrolar aqui no Brasil, e talvez isso me faça ler o livro.

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    A parte que retrata a violência é até interessante ser abordada, mas não sei... Não senti muita firmeza hahaha. Não me vi atraída e não tive vontade de ler, sabe? Acho, na verdade, que é uma história comum retratada de forma comum.

    ResponderExcluir
  7. Olá, eu ainda não li nada da autora, e também não conhecia esse livro.
    Pela sua resenha achei super interessante a obra trazer essa temática e favorecer uma reflexão sobre a violência conta a mulher. Certamente lerei quando puder.

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Gente, que premissa linda e real! Já vi algumas resenhas dele e cada vez mais me sinto instigada em ler. Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  9. OiiI!

    Eu não li nada da autora ainda, mas eu morro de curiosidade! Ela parece escrever muito bem e sempre traz temas extremamente importantes para o debate. Mesmo sabendo que essa é uma triste realidade, acredito que todas as obras sobre o tema precisam ser discutidas para quebrar certos tabus.
    A resenha está ótima!
    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  10. Olá Joanice,
    Esse livro tem ma temática bastante forte e que precisa ser discutida. Acho que a autora trabalhou com proeza esse tema nesse livro e fiquei muito curiosa para ler o livro, pois ainda não tive a oportunidade de fazer a leitura.
    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  11. Oi!!!
    Sua resenha está ótima e muito bem escrita.
    Infelizmente a história de Ágata é a mesma de muitas mulheres pelo mundo.
    É real e muito triste essas leituras, mas bom vermos que sempre pode ter um final feliz, e espero que mulheres que passam por isso possam ver a luz no fim do túnel com livros assim.

    ResponderExcluir
  12. Oi!!
    Já tinha visto esse livro nas redes sociais, mas é primeira resenha que leio sobre ele.
    Não imaginava que se tratava sobre violência contra a mulher, gosto de livros com temas fortes e fiquei bem interessada em ler ele e conhecer a escrita da autora.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  13. Olá! Adoro a autora Lycia Barros, ela é super atenciosa com os fãs. Mas confesso que ainda não li o seu livro e conheci um pouco mais com o seu post. Já marquei na minha lista de favoritos. Estou naquela vibe de romance e com certeza vou ler o mais rápido possível essa obra.

    ResponderExcluir

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger