.19 de jul de 2017

[Resenha] A Mensageira da Morte - Vivianne Sophie

Título: A Mensageira da Morte
Autora: Vivianne Sophie
Editora: Multifoco
Ano: 2017
N° de Páginas: 310


Sinopse:
Alana Price nunca imaginou que sua vida se tornaria tão complicada. Uma cidade encoberta de brumas, assassinatos esporádicos que estão sempre próximos a ela. E uma voz sussurrando em seu ouvido, incitando-a desejar. Quando uma maldição recaí em sua vida, só há uma saída para fugir dela: A morte.
Percorrendo vários lugares do Egito, Alana enfrentará muitos desafios, tumbas egípcias, templos de areias e várias noites do deserto, é só o começo da sua jornada por redenção. 
A Mensageira da Morte é o primeiro livro de estreia da autora e traz uma gama de mistérios, intricados a magia e profecias antigas. Tudo isso ambientado no cenário atual e escrito com muito entusiasmo pela autora.

 “ – Nem toda luz é capaz de conter a escuridão que reside em nós.”

A Mensageira da Morte é uma mistura de aventura, mitologia egípcia e uma pintada de ocultismo e misticismo dos grandes mestres Poe e Lovecraft.


Alana Price é uma jovem de 16 anos que sofre com a ausência de seus pais que vivem viajando para diversos países no intuito dos aprofundamentos de suas pesquisas arqueólogas, mas como a menina não compreende a profissão deles entende que os mesmos preferem o trabalho a família.

Numa das suas passagens pelas casas de seus tios em Londres – Nanná e Cal – com seu irmão caçula, Julian e recebem a informação de que seus pais faleceram numa de suas expedições para o Oriente. A dor devasta o coração da jovem que se perde em culpa e ressentimento, porque se queixava da ausência dos pais, porém nunca desejaria a morte dos mesmos, porque os amava incondicionalmente.

No testamento, Alana ficaria aos cuidados de sua avó Amélia na cidade de Winscoin e Julian ficaria com seus tios em Londres. A herança seria dada mensalmente apenas para as necessidades básicas e a retirada total depois da maior idade de ambos. Alana fica frustrada por ter que se separar de seu irmão, mas ao chegar ao seu novo lar, começa uma batalha para se mantiver sã e equilibrada diante tantas perdas e encontra dentro de si algo que primeiramente parecia um bem, todavia na realidade era uma sentença de morte e destruição.

Passa um tempo e a jovem retorna à escola e tem sempre o consolo e amor de sua avó que tenta constantemente lhe dar ânimo e conselhos de vestimentas (é bem engraçado rs). No âmbito escolar ela não é bem recebida por Missie e suas amigas, porque a garota é a popular da escola – como em Garotas Malvadas – e viverá dias de perseguição e exaustão emocional com as investidas de Misse e principalmente quando se tornar amiga do filho da prefeita, James Ward.


No meio dessa loucura que é o ensino médio e os ataques diários de pessoas que parecem adorar perturbar a paciência de Alana, aparece uma jovem ruiva e sorridente, Janet. A jovem Price juntar-se aos “Excluídos” e começa a ter dias mais agradáveis na companhia de pessoas que parecem mais com seus gostos e compreendem seu jeito retraído depois de seu passado.

Alana tenta entrar nas aulas de natação da escola, mas é advertida que seria uma escolha perigosa e dolorosa. Desanimada e perturbada por uma voz que a incomoda sempre, a menina é colocada face a face com a morte quando Missie a algema na pisciana da escola. Sorte que James a resgata. Dias depois Missie é encontrada morta de forma estranha e cruel. Esse seria o começo de uma série de assassinatos esquisitos e sinais de algo fora do comum estava acontecendo naquela cidade.

Mortes começam a colocar Winscoin em alerta e a prefeita da cidade coloca um toque de recolher. Somente quando Logan, novo diretor da escola local chega com sua família é que Alana Prince compreende a dimensão do caos e destruição, na qual está envolvida e que pessoas próximas delas não eram quem ela pensava.

Numa busca por libertação e salvação de uma maldição digna de filmes como A Múmia, Alana adentra numa aventura sem possibilidade real de volta, porém que sua realização seria uma construção de um futuro sem a presença de uma entidade poderosa e demoníaca reinando aos quatro cantos da Terra.

Surpreendente e cativante. Vivi capta a atenção dos leitores nas primeiras páginas quando envolve uma mitologia tão misteriosa e atraente, quanto à egípcia. Ela agrega diversos conceitos da Arqueologia com uma mistura inusitada com elementos da contemporaneidade. Frases e rituais lembram muito contos de H.P. Lovecraft e a escrita macabra e simbolista do grande Edgar Allan Poe.

“Eu havia retratado a morte, mas aquilo se aparentava mais a vida do que com qualquer coisa, pois estávamos sempre em espera, colocando nossos corações, nossas vidas na balança e esperando nos redimir de nossos erros.”

Alana é uma jovem protagonista que desperta sentimentos conflitantes no leitor, porque ela age de forma não linear diante os acontecimentos. Num momento ela é equilibrada e ouve os conselhos alheios; páginas depois ela está jogada na “cova dos leões”, porque agiu de forma impulsiva. Ela é forte e decidida, mas tem fraquezas que ainda não consegue ocultar. Há momentos que ela se assemelha a Katniss de Jogos Vorazes que deixava suas emoções controlarem seus passos, entretanto com a experiência captou a importância da reflexão.



James Ward é um personagem que engana todo mundo. Um rapaz rico, bondoso e charmoso. Um rapaz que deixaria qualquer jovem rendida com sua beleza e encantamento, mas não se engane, porque todo James tem um pouco do grande arquinimigo de Sherlock, James Moriaty.

“Seus olhos me encaram até fazer a curva e solto a respiração em lufadas no ar frio da tarde.”

A avó Amélia é uma mulher de muitos mistérios e emoções ensaiadas. Ela demonstra fraqueza em muitos momentos, mas é apenas a exigência do momento. Não é perigosa e não sabemos ao certo sua posição diante a verdade sobre sua neta, porém não existe nada que prove sua bondade aparente. Lembre-se da Carol da série The Walking Dead e saberá do que falo.

“A traição é uma das piores dores, pois sempre é realizada por aqueles que nós amamos aqueles que realmente conseguem tocar nossos corações.”

Julian é um garoto que amadureceu antes do necessário. É mais racional que sua irmã e tem uma ligação forte com a maldição que envolve essa série. Ele pode ser uma chave para o próximo livro e espero mais aparições do jovem na trama.

Logan é um homem sério, compenetrado e peça principal nesse quebra-cabeça que é essa história. Ele e Alana se envolvem em algo que ultrapassa a linha da amizade, mas que de forma alguma tira o foco da aventura que é esse enredo. O possível romance entre eles é apenas complemento e não centro da trama.

A leitura é fluída e convidativa. Os personagens conseguem exercer suas funções de forma eficiente. Aqui não tem aqueles personagens-acessórios que estão lá só para completar elenco. Há uma necessidade real deles nos acontecimentos e quando as peças se movem você se ver num labirinto de fatos e informações que não parecem levar a solução alguma, mas vistos do ângulo certo abrem a porta que leva ao centro desse mistério.

A capa é maravilhosa e quando vi a mesma, me apaixonei perdidamente, porque a essência da personagem principal está retratada de forma fiel. As folhas são brancas e a fonte é muito agradável e adorei a epigrafe da música Seven Devils da Florence and the Machine.

A Mensageira da Morte é a primeira peça de um quebra-cabeça que exige do leitor uma disposição frenética para adentrar os segredos que vagueiam o imaginativo humano e fundamentam a mitologia egípcia, além de convidar as pessoas a perguntarem a si mesmas: Será que eu conseguiria me sair melhor que a Alana diante esse panorama da realidade?

“Eu não acreditava nas forças sobrenaturais há um mês, mas agora tinha certeza que havia algo maior regendo nosso universo, havia uma energia no ar que tinha vida própria e nós éramos apenas parte do cenário.”



19 comentários:

  1. Linda,

    Estou com lágrimas nos olhos com essa resenha. E essa descrição incrível dos personagens? Com certeza meu coração disparou aqui de tanta emoção. Muito obrigada por essas lindas palavras e por ter se conectado com o livro.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Que capa linda! Parece ser uma obra bem misteriosa com uma estória surpreendente. Com certeza vou adquirir e ler o livro!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Oi tudo bem?
    Não sou muito de ler mitologia mas confesso que a sua resenha me deixou curiosa quanto a leitura, irei colocar na lista de desejados.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Eita! Vivianne Sophie que mooro de vontade de ler e que tem feito auê por aí, tenho aqui um que baixei na Amazom algo como o Inferno de alguém, não me lembro rsrsrsr
    Ahhhhh acho que vou ter que ler mais de dois livros se quiser alcançar vcs!
    Prometo ler, resenhar e desejo todo o sucesso para a autora!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Ja tinha lido resenha sobre essa história e ficado encantada com a forma que a autora conseguiu mesclar as narrativas sem se perder na trama e ainda assim deixar o leitor maravilhado.
    Espero ter oportunidade de ler em algum momento.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  6. Oi, Joanice!
    Não conhecia esse livro mas estou morrendo de curiosidade! Até adicionei no skoob. Amei o título e pela sua resenha tudo indica que irei gostar da história também. Amo Poe e Lovecraft, gostei das comparações que você fez.
    Beijos, seguindo o blog <3
    Páginas Empoeiradas

    ResponderExcluir
  7. Oi Joanice, a autora fez uma bela mistura em seu enredo né? Parece bem interessante, ainda mais por saber que ela apesar disso não se perdeu na trama.
    Bjs, rose

    ResponderExcluir
  8. Eu estou bem curiosa com esse livro, acho a capa maravilhosa e a trama me deixa muito interessada. Parece ser uma ótima leitura e gostei de ver a sua resenha e conhecer um pouco mais sobre a trama.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Josiane!
    Nossa, que resenha! É a primeira vez que leio sobre esse livro e me parece ser ótimo. Eu achei a capa bonita, porém não me parece ter muito a ver com a história, mas posso estar enganada.
    Tomara que eu consiga ler esse livro em algum momento ainda esse ano.
    Bjos!
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia o livro, mas a história parece ser ótima, gostei da resenha.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  11. Oie!
    Não conhecia o livro, mas sua resenha foi tão empolgante que fiquei super curiosa para ler, parece ser uma história muito boa.
    Sem contar que essa capa é muito linda.

    ResponderExcluir
  12. Oii, Jô. Tudo bem?

    A capa é realmente linda, já havia visto no seu instagram. Achei a premissa muito legal, parece uma leitura rápida e gostosa. Gostei muito da dica.
    Beijocas

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Sempre achei essa capa bonita, gosto da premissa do livro e de ter mitologia egípcia, e a leitura ser fluída é um atrativo a mais!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá tudo bem?
    Já tinha visto esse livro circulando pelas redes e a capa é realmente fantástica! Gostei da saber que a leitura é fluida e que não há personagens-acessórios (adorei esse termo hahaha), que bom que cada um deles desempenha corretamente o seu papel na história. Gosto de tramas bem estruturadas e essa me chamou muita atenção devido aos mistérios. Com certeza quero ler.

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  15. Olá! Que ótima resenha. Tenho visto alguns posts com a divulgação sobre o livro e estou super curiosa para realizar a leitura. Espero também ter essa oportunidade. Muito sucesso a autora. super bjooooo

    ❤️ http://blogaventuraliteraria.blogspot.com.br/ ❤️

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Conheço a autora do blog dela, fiquei sabendo do livro, mas essa é a primeira resenha que leio. Não faz meu estilo de leitura, mas tem uma capa tão linda, mas tão linda, que realmente convida o leitor a sair da zona de conforto!

    ResponderExcluir
  17. Oieee
    Muito linda a capa, parece ser rápido e emocionante
    Adorei sua resenha, conseguiu colocar tudo da obra em poucas palavras.
    Beijos
    Dica anotada

    ResponderExcluir
  18. Oi Joanice, sua linda, tudo bem?
    Eu gosto muito dessa capa, fui atraída por ela na hora. Quem não gosta de mitologia egípcia? Sempre fui fascinada por ela. E por ter ainda uma maldição, pronto, já me ganhou completamente, risos... Estou mega curiosa para descobrir sobre esses assassinatos e a relação deles com essa maldição. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá,

    Adoro livros sobre mitologias, aprendo muito com livros desse estilo. Já faz um tempo que acompanho alguns resenhas e comentários sobre essa obra, no entanto ainda não senti vontade em fazer a leitura, não senti o feeling que me faz querer ler um livro, porém concordo que é um livro e tanto, espero um dia poder lê-lo.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger