.1 de fev de 2018

[Resenha 08] A Grande Ilusão – Harlan Coben

Título: A Grande Ilusão
Autor: Harlan Coben
Editora: Arqueiro
Ano: 2017
N° de Páginas: 302


Sinopse:
Maya Stern é uma ex-piloto de operações especiais que voltou recentemente da guerra. Um dia, ela vê uma imagem impensável capturada pela câmera escondida em sua casa: a filha de 2 anos brincando com Joe, seu falecido marido, brutalmente assassinado duas semanas antes. Tentando manter a sanidade, Maya começa a investigar, mas todas as descobertas só levantam mais dúvidas. Conforme os dias passam, ela percebe que não sabe mais em quem confiar, até que se vê diante da mais importante pergunta: é possível acreditar em tudo o que vemos com os próprios olhos, mesmo quando é algo que desejamos desesperadamente? 
Para encontrar a resposta, Maya precisará lidar com os segredos profundos e as mentiras de seu passado antes de encarar a inacreditável verdade sobre seu marido – e sobre si mesma.

“Todas as histórias de amor terminam em tragédia.” p.8

A Grande Ilusão é um misto de um elaborado emaranhado de pistas que levam a diversas teorias de conspiração com um ar refinado do método refinado de dedução do grande detetive Sherlock Holmes.

Maya Stern é ex-piloto do batalhão de operações especiais do Exército norte-americano que atual no Iraque e Afeganistão. Ela sempre fora uma mulher de força, determinação e movida por sua impulsividade que a levaram às alturas com a profissão de piloto e seu vício pela adrenalina, já que a vida de um civil é “pacata” e “normal” demais para ela.

Ela sempre fora um destaque em suas atuações no Exército até que se envolveu num escândalo que lhe obrigou a se afastar de seu trabalho. Antes de sua aposentadoria precoce, conhecerá o bilionário Joe Burkett que roubara seu coração e a levara a um amor avassalador e um casamento tão rápido quando a aparição do cometa Halley. Um tempinho de casados e já no cargo de pais – ela estava grávida quando se casaram – as armadilhas do Destino e o sadismo da Vida caíram sob o casal. A morte encontrara a vida de Joe e Maya num passeio noturno num parque próximo da casa deles. Um assalto resultara na morte prematura de um dos herdeiros do império dos Burkett.

O enterro de Joe é doloroso e pesaroso. O amor dele fora meteórico e a vida se carregaram de deixar Maya viúva e com uma filha pequena tão cedo e sem aviso prévio. Ela estava se tornando refém da Morte, já que perdera recentemente sua irmã Claire. Seus sobrinhos agora eram sua responsabilidade mesmo com a presença de seu cunhado Eddie. Ela sentia que estava no centro de uma conspiração que tiraria tudo que amava, mas não permitiria de forma alguma mesmo que o detetive do Departamento da Polícia de Nova York acreditasse no envolvimento dela no falecimento de seu marido. A culpa sempre recaia nas esposas.

Ao retornar à sua casa recebe a visita inconveniente do detetive que de praxe faz perguntas sobre a noite da morte de seu marido. Os questionamentos de Roger são evasivos e entoam desconfiança nas declarações de Maya. Isso a deixara irritada e o mesmo se retira da residência e a deixa sozinha e confusa, já que sua amiga Judith lhe presenteou com um porta-retratos eletrônico que contém uma câmera escondida para vigiar a babá cuidando de Lily – filha de Maya e Joe -, mas o presente fora dado de uma forma que sugeria algo. Será que havia algo por detrás da morte de seu marido? Algo que ela não percebera? Ou seria apenas paranoia de sua cabeça conturbada por duas mortes precoces?

“[...] Mas imagine um mundo em que nada disso acontecesse. Imagine um mundo em que todos são obrigados a prestar contas de seus atos. Imagine um mundo sem abusos e segredos.” p.132

Ela começa então a investigar a morte de seu marido. Dois pontos são cruciais para isso: – Não é spoiler – Primeiro: a arma usada na morte de seu marido é a mesma que ceifou a vida de sua irmã; Segundo: A imagem de seu falecido marido aparece nas filmagens da câmera escondida no porta-retratos. Como seria possível? Seriam alucinações? Manipulação computacional?

A investigação levanta fatos obscuros de vários personagens e a realidade é revelada: Ninguém é confiável nessa história, porque até as vítimas podem ser apenas mentiradas bem contadas.

Qual será a verdadeira identidade do assassino de Joe e Claire? Será que os dois tinham ou sabiam algo que os colocavam em vulnerabilidade de criminosos? Ou será que algo mais maquiavélico estava por detrás desses crimes?


O carequinha mais famoso do suspense mais uma vez traz uma obra com reviravoltas que são de deixar qualquer leitor abismado e se perguntando em qual momento não percebeu que o assassino estava na sua frente, mas o simples sempre é deixado de lado quando acreditamos em teorias da conspiração.

Maya é uma mulher de convicções fortes e inabaláveis, por isso sempre almejou sua carreira no Exército e mostrou forte e irrepreensível até que moral e limites se perderam e sem perceber ela entrou num vício muitas vezes incorrigível: achar que os “fins justificam os meios”. Ela sempre fora de ter diversos romances, mas se apaixonara perdidamente por Joe e deixara sua carreira após um escândalo militar para se dedicar totalmente ao marido e a filha, entretanto sua vida torna-se um turbilhão de emoções quando tudo que amava é tirado dela e se vê obrigada a investigar esses crimes.
A personagem não é típica personagem feminina, porque ela parece convicta de tudo que faz por mais que seja algo condenável para a sociedade. Maya é extraordinariamente fiel aos seus princípios e não se arrepende com facilidade por nada que faz. Para ela a justiça é rápida e indolor quando feita no momento certo, todavia essa punição pode vim de qualquer lugar. As impunidades são inaceitáveis na sua concepção e essa nessa visão que me vim diversas vezes com sentimentos contraditórios diante as atitudes dela, porque para “os fins não justificam os meios” e a não violência é a melhor resposta para os corruptos e maldosos.

Joe é um personagem esquecido até metade do livro, entretanto no final do livro temos surpreendentes revelações sobre que para mim eram bem esperadas, porque tudo que falavam sobre ele é como aquele velho ditado: “Todas as pessoas virão santas quando morrem.” Ele era muito perfeito e aclamado para ser apenas vítima na história. Não que isso seja spoiler, mas todos nós cometemos erros, porque somos humanos e muitas vezes não formos educados a se compadecer dos demais e por isso o egoísmo tende a comandar nossas ações e nos jogar num penhasco de crueldades e insanidades.

Há personagens bem complicados de definição, porque ficam na linha tênue entre confiáveis e bem suspeitos, como o detetive Roger que parecia saber demais e deduzir pensamentos sem ter provas concretas dos fatos. A amiga de Maya, Judith que aparentava ter sentimentos demais pela amiga e repentinamente começa a revelar verdades um tanto duvidosas e essenciais para o momento delicado da amiga.

“E havia músicas que às vezes espetavam o dedo diretamente nas suas feridas.” p.258

A boa jogada desse livro é quem conhece as características das narrativas de Harlan, percebe logo nos primeiros capítulos quem são os culpados e quem apenas são bodes expiatórios na jogada. Ele utiliza os mesmos artifícios dos livros Cilada e Seis Anos Depois e isso me deixou extremamente satisfeita, porque foram livros que me deixaram fascinada pela habilidade do autor em enveredar em diversas linhas de raciocínio para que os leitores deduzam o ocorrido de forma racional.


 A capa do livro é padrão das obras do autor pela Arqueiro que coincidem perfeitamente com o enredo e deixam os leitores satisfeitos. A narração da história é em terceira pessoa e típica do gênero, porque afasta o suspeito de se denunciar. A fonte de leitura é agradável, algo de todos os livros do carequinha aqui no Brasil.

A Grande Ilusão é uma narrativa que parece um caleidoscópio de suposições e armadilhas que identificam os leitores aficionados pelo gênero e aqueles que terão uma experiência emocionante e similar ao de Sherlock Holmes com suas descobertas dedutivas.



10 comentários:

  1. Gostou bastante da sua resenha está bem interessante e bem elaborada, mas não é um tipo de livro que me chame a atenção, obrigada pela dica mas deixarei pra próxima.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olá, amiga! Tudo bem?
    Eu achei um bela experiência a leitura de "A Grande Ilusão", eu não conhecia a escrita do Harlan e posso dizer que adorei. Eu pretendo ler outros livros do autor em 2018, fico feliz que tenha gostado da leitura. Adorei a sua resenha!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá! Saudações literárias! Tudo bem com você? Esse ano uma das minhas metas literárias é ler os livros do Coben e com certeza, essa obra vai estar na minha lista de desejados. Valeu pela dica.

    ResponderExcluir
  4. AHHHHHHHHHHH MAIS UMA QUE AMA O MOZÃO <3 Mulher, cê acredita que esse eu não li? Mas depois da tua resenha vou furar ele na fila infinita kkkkk faz um tempinho que não leio nada dele, bateu saudade!

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? O primeiro livro que li de suspense foi do Harlan, confesso que não me ganhou muito, apesar de ter gostado da história. Mas, recentemente li um livro de suspense da Paula Hawkins, muito bom. Então, só tenho desejado ler suspenses, e particularmente este chamou muito minha atenção. Acredito que darei uma nova chance aos livros desse autor.
    Obrigada pela dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Jo,
    Tudo bom?
    Então acredita que eu ainda não li nada desse autor? Pois é, mas não é por falta de vontade, pois já vi falar horrores dele e sim suas histórias me chamam bastante atenção, exemplo disso é que curti sua resenha, acredito que é um livro bem "inteligente" de ser devorado, pois ficamos atrás do assassino até o último momento. Adorei a referência que usaste no nome do autor "o carequinha mais famoso", rs. Adorei a resenha e quando tiver oportunidade quero conferir de perto também.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    https://leiturakriativa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Nossa, que resenha! Tenho certeza de que você gostou muito do livro, eu particularmente gosto muito da escrita do Harlen, acho que ele constroi com maestria as historias que escreve, mas infelizmente ainda não tive a oportunidade de ler esse livro, mas com certeza esta na listinha.

    ResponderExcluir
  8. Oi Joanice, Coben é demais e confesso que este livro, assim como outros do autor, me surpreender. Em nenhum momento da leitura imaginei este final, e principalmente o culpado. Foi uma total surpresa para mim.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Conheço Harlan Coben e sou apaixonada pela escrita dele, mas nunca li esse livro! Vou anotar em minha listinha, faz tempo que não leio nenhum romance policial

    ResponderExcluir
  10. Ainda não li nenhuma obra do autor, mas tenho muitos na minha lista de desejados. Espero gostar da escrita dele.
    Sou apaixonada pelo gênero que ele escreve, então minhas expectativas estão nas alturas. Rs
    Adorei sua resenha,beijos! <3

    ResponderExcluir

© Poesia que encanta a vida - 2016 | Todos os direitos reservados. | Tecnologia do Blogger